Coinbase apela aos esforços judiciais da SEC para esclarecer as regulamentações criptográficas

Pontos chave:

  • A Coinbase recorre da decisão do processo da SEC para esclarecer a classificação dos ativos digitais.
  • O recurso questiona se as transações de ativos digitais sem obrigações do emissor se qualificam como contratos de investimento.
  • O resultado poderia remodelar a regulamentação das criptomoedas.
Coinbase, uma das principais bolsas de criptomoedas, tomou um passo decisivo em sua disputa legal com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC).
Coinbase apela aos esforços judiciais da SEC para esclarecer as regulamentações criptográficas

Leia mais: Revisão da Coinbase Ventures: o fundo de investimento mais dinâmico

Coinbase desafia decisão judicial da SEC

Em uma tentativa de agilizar uma resolução sobre a classificação de ativos digitais, a empresa entrou com um pedido de permissão para apelar de uma decisão recente de um juiz federal.

No mês passado, a juíza Katherine Polk Failla rejeitado A tentativa da Coinbase de rejeitar a ação movida pelo SEC, permitindo que o caso prossiga. No centro da disputa está se os ativos digitais devem ser considerados contratos de investimento, caindo assim sob a alçada regulatória da SEC.

A Coinbase afirma que a aplicação do teste Howey pela SEC, uma referência legal para identificar títulos, criou ambiguidade na definição do que constitui um título no domínio das criptomoedas.

Implicações do apelo da Coinbase no cenário regulatório

No apelo da Coinbase, a exchange desafia especificamente a noção de que uma transação de ativo digital se qualifica automaticamente como um contrato de investimento se não tiver uma obrigação contratual formal do emissor do token. A bolsa argumenta que uma vez que um ativo digital entra nos mercados secundários, desvinculado de sua emissão inicial, ele não deveria mais estar sujeito à regulamentação da SEC.

Este movimento ressalta o debate mais amplo dentro da indústria de criptomoedas e nos círculos regulatórios sobre a classificação e regulamentação de ativos digitais. O apelo da Coinbase busca abordar essa incerteza e fornecer clareza sobre a estrutura regulatória que rege as transações de criptomoedas.

Contudo, permanece incerta a aprovação do recurso de agravo de instrumento, interposto antes da conclusão do processo judicial. Tentativas anteriores da SEC de apresentar recursos semelhantes, como visto no caso contra Ripple no ano passado, não tiveram sucesso.

Coinbase apela aos esforços judiciais da SEC para esclarecer as regulamentações criptográficas

Pontos chave:

  • A Coinbase recorre da decisão do processo da SEC para esclarecer a classificação dos ativos digitais.
  • O recurso questiona se as transações de ativos digitais sem obrigações do emissor se qualificam como contratos de investimento.
  • O resultado poderia remodelar a regulamentação das criptomoedas.
Coinbase, uma das principais bolsas de criptomoedas, tomou um passo decisivo em sua disputa legal com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC).
Coinbase apela aos esforços judiciais da SEC para esclarecer as regulamentações criptográficas

Leia mais: Revisão da Coinbase Ventures: o fundo de investimento mais dinâmico

Coinbase desafia decisão judicial da SEC

Em uma tentativa de agilizar uma resolução sobre a classificação de ativos digitais, a empresa entrou com um pedido de permissão para apelar de uma decisão recente de um juiz federal.

No mês passado, a juíza Katherine Polk Failla rejeitado A tentativa da Coinbase de rejeitar a ação movida pelo SEC, permitindo que o caso prossiga. No centro da disputa está se os ativos digitais devem ser considerados contratos de investimento, caindo assim sob a alçada regulatória da SEC.

A Coinbase afirma que a aplicação do teste Howey pela SEC, uma referência legal para identificar títulos, criou ambiguidade na definição do que constitui um título no domínio das criptomoedas.

Implicações do apelo da Coinbase no cenário regulatório

No apelo da Coinbase, a exchange desafia especificamente a noção de que uma transação de ativo digital se qualifica automaticamente como um contrato de investimento se não tiver uma obrigação contratual formal do emissor do token. A bolsa argumenta que uma vez que um ativo digital entra nos mercados secundários, desvinculado de sua emissão inicial, ele não deveria mais estar sujeito à regulamentação da SEC.

Este movimento ressalta o debate mais amplo dentro da indústria de criptomoedas e nos círculos regulatórios sobre a classificação e regulamentação de ativos digitais. O apelo da Coinbase busca abordar essa incerteza e fornecer clareza sobre a estrutura regulatória que rege as transações de criptomoedas.

Contudo, permanece incerta a aprovação do recurso de agravo de instrumento, interposto antes da conclusão do processo judicial. Tentativas anteriores da SEC de apresentar recursos semelhantes, como visto no caso contra Ripple no ano passado, não tiveram sucesso.

Visitado 159 vezes, 1 visita(s) hoje