BEVM revela consenso inovador de Taproot para solução descentralizada Bitcoin Layer 2

1 17165205016uues42YKu 1

Cardiff, EUA, 26 de maio de 2024, Chainwire

Em 20 de maio de 2024, a equipe de desenvolvimento do Bitcoin Layer2 BEVM divulgou o artigo técnico amarelo intitulado “Taproot Consensus: A Decentralized BTC Layer2 Solution”. Este artigo detalha a implementação do Taproot Consensus, aproveitando tecnologias nativas de Bitcoin, como assinaturas Schnorr, MAST e nós Bitcoin SPV para construir uma solução BTC Layer2 totalmente descentralizada. O Taproot Consensus representa um salto significativo na escalabilidade nativa do Bitcoin, combinando tecnologias Bitcoin existentes de forma inovadora sem modificar o código central do Bitcoin.

I. História das Iterações Técnicas do Bitcoin

  • Outubro 31, 2008: Satoshi Nakamoto publicou “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System”, apresentando o Bitcoin e o conceito de SPV (Simple Payment Verification).
  • Janeiro 3, 2009: Nakamoto explorou o Genesis Block, lançando o Bitcoin. O código original usava ECDSA para assinaturas digitais em vez das assinaturas Schnorr mais adequadas, que estavam sob proteção de patente na época. As assinaturas Schnorr retêm todas as funcionalidades e premissas de segurança do ECDSA e podem ultrapassar o limite de 15 assinaturas do ECDSA, permitindo o gerenciamento de Bitcoin com milhares de endereços sem afetar a velocidade de assinatura.
  • 2018: Os principais desenvolvedores do Bitcoin propuseram a integração das assinaturas Schnorr na rede Bitcoin.
  • Novembro 14, 2021: A atualização Taproot integrou assinaturas Schnorr e introduziu MAST (Merkelized Abstract Syntax Trees), permitindo recursos semelhantes a contratos inteligentes e gerenciamento descentralizado de múltiplas assinaturas.
  • A solução Taproot Consensus da BEVM baseia-se nesses avanços, combinando assinaturas Schnorr e MAST para gerenciar endereços com múltiplas assinaturas e permitir cenários de negócios complexos em Bitcoin Layer2.

II. Visão geral da solução de consenso Taproot:

O artigo amarelo começa destacando a natureza completa não-Turing do Bitcoin e a funcionalidade limitada para contratos inteligentes. Ele defende o uso dos recursos existentes do Bitcoin para construir uma solução Layer2 descentralizada, em vez de modificar o Bitcoin Layer1.

O Taproot Consensus da BEVM combina a tecnologia Taproot do Bitcoin (assinaturas Schnorr e MAST), nós leves Bitcoin SPV e o mecanismo de consenso BFT PoS para criar uma rede Layer2 descentralizada e consistente.

III. Explicação detalhada da arquitetura de consenso Taproot

FMMKxcVPs

A arquitetura Taproot Consensus compreende três componentes principais: Schnorr+MAST, Bitcoin SPV e Aura+Grandpa.

· Schnorr+MAST: Usa essas tecnologias da atualização Taproot para obter gerenciamento descentralizado de múltiplas assinaturas Bitcoin impulsionado pelo código Bitcoin.

· Bitcoin SPV: Permite a sincronização e verificação de transações Bitcoin sem executar um nó completo.

· Aura + Vovô: Protocolos avançados de consenso PoS para tolerância a falhas bizantinas, garantindo alta consistência entre os nós da rede.

No sistema BEVM, cada validador possui uma chave privada BTC para assinaturas Schnorr. A chave pública agregada forma uma árvore MAST, permitindo transferências e inscrições BTC para o endereço de assinatura limite. Os validadores atuam como nós leves Bitcoin SPV, sincronizando o estado da rede BTC de forma segura e sem permissão. Aura+Grandpa garante a segurança e confiabilidade da rede Layer2, com ativos gerenciados pelo consenso BFT.

O princípio operacional do Taproot Consensus é: “No sistema BEVM, cada validador possui uma chave privada BTC para assinaturas Schnorr. A característica das assinaturas Schnorr permite uma agregação eficiente de assinaturas, aumentando assim a segurança e a eficiência do sistema. A chave pública agregada Pagg, gerada através do esquema de múltiplas assinaturas Musig2, forma um grande MAST (Merkle Abstract Syntax Tree). Após gerar o hash raiz da árvore MAST, os validadores realizam transferências e inscrições BTC no endereço de assinatura limite gerado pela árvore MAST, possibilitando o envio de dados da rede principal BTC para a rede BEVM. Cada validador também atua como um nó leve Bitcoin SPV (Simplified Payment Verification), permitindo-lhes sincronizar com segurança e sem permissão o estado da rede BTC.”

4. Outros detalhes técnicos no Livro Amarelo – Verdadeira Descentralização

O documento amarelo também detalha a implementação de assinaturas Schnorr, MAST, nós leves Bitcoin SPV e Aura+Grandpa, fornecendo um esboço técnico abrangente para aqueles interessados ​​em tecnologias Bitcoin. Explica a implementação do Musig2 e contrasta com outros projetos BTC Layer2 como o Mezo, que usa o protocolo tBTC. Ao contrário do tBTC, que depende de uma rede de nove signatários, o Taproot Consensus integra redes de múltiplas assinaturas com o consenso BFT PoS, alcançando uma verdadeira descentralização.

Além disso, o documento amarelo explica o processo de implementação do Musig2 e as diferenças entre outros projetos BTC Layer2 como Mezo e Taproot Consensus. A estrutura técnica subjacente do Mezo é baseada no protocolo tBTC, que usa assinaturas múltiplas Bitcoin para construir uma rede de assinatura de limite, oferecendo forte consistência em comparação com redes distribuídas tradicionais. No entanto, o tBTC ainda depende de uma rede de nove signatários, enquanto um sistema verdadeiramente descentralizado deve ser orientado por consenso, combinando redes de múltiplas assinaturas com mecanismos de consenso BFT PoS (Byzantine Fault Tolerance Proof of Stake). Esta é a diferença entre redes distribuídas e blockchains; as redes distribuídas enfatizam a distribuição, mas carecem do consenso bizantino de tolerância a falhas, enquanto as blockchains, embora também sejam redes distribuídas, são impulsionadas pelo consenso bizantino de tolerância a falhas, alcançando a verdadeira descentralização. A solução Taproot Consensus adota esse design mais avançado. Ao integrar assinaturas Schnorr, MAST, nós leves Bitcoin SPV e mecanismos de consenso tolerantes a falhas Aura e Grandpa Byzantine, ele constrói uma solução de escalabilidade Layer2 descentralizada altamente consistente e segura. Esta integração melhora a escalabilidade e usabilidade da rede Bitcoin e garante a segurança e consistência da rede BEVM.

Conclusão

O documento técnico amarelo da equipe BEVM descreve detalhadamente o Taproot Consensus, uma solução Bitcoin Layer2 construída inteiramente em tecnologias Bitcoin nativas. Respeita e inova na direção tecnológica original do Bitcoin, tornando-o uma verdadeira evolução da tecnologia nativa de escalabilidade do Bitcoin. À medida que o ecossistema Bitcoin evolui, soluções como o Taproot Consensus serão cruciais para o seu desenvolvimento, servindo como pilares importantes para soluções Bitcoin Layer2 verdadeiramente descentralizadas.

Sobre BEVM

BEVM é a primeira solução Bitcoin Layer 2 totalmente descentralizada e compatível com EVM. Ele permite que os DApps do ecossistema Ethereum operem em Bitcoin, usando BTC como gás. BEVM aprimora a utilidade do Bitcoin, fornecendo uma plataforma segura e escalável para aplicações descentralizadas. O sistema integra mecanismos avançados de consenso, interação entre cadeias e integridade robusta de dados para garantir uma experiência perfeita. A BEVM pretende inovar no ecossistema Bitcoin, oferecendo maior escalabilidade, segurança e compatibilidade com ferramentas e aplicativos populares da Ethereum.

Para mais informações, os usuários podem visitar Oficial do BEVm site ou siga BEVM em Twitter.

Contato

Tommie
BEVM
tommie@bevm.io

BEVM revela consenso inovador de Taproot para solução descentralizada Bitcoin Layer 2

1 17165205016uues42YKu 1

Cardiff, EUA, 26 de maio de 2024, Chainwire

Em 20 de maio de 2024, a equipe de desenvolvimento do Bitcoin Layer2 BEVM divulgou o artigo técnico amarelo intitulado “Taproot Consensus: A Decentralized BTC Layer2 Solution”. Este artigo detalha a implementação do Taproot Consensus, aproveitando tecnologias nativas de Bitcoin, como assinaturas Schnorr, MAST e nós Bitcoin SPV para construir uma solução BTC Layer2 totalmente descentralizada. O Taproot Consensus representa um salto significativo na escalabilidade nativa do Bitcoin, combinando tecnologias Bitcoin existentes de forma inovadora sem modificar o código central do Bitcoin.

I. História das Iterações Técnicas do Bitcoin

  • Outubro 31, 2008: Satoshi Nakamoto publicou “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System”, apresentando o Bitcoin e o conceito de SPV (Simple Payment Verification).
  • Janeiro 3, 2009: Nakamoto explorou o Genesis Block, lançando o Bitcoin. O código original usava ECDSA para assinaturas digitais em vez das assinaturas Schnorr mais adequadas, que estavam sob proteção de patente na época. As assinaturas Schnorr retêm todas as funcionalidades e premissas de segurança do ECDSA e podem ultrapassar o limite de 15 assinaturas do ECDSA, permitindo o gerenciamento de Bitcoin com milhares de endereços sem afetar a velocidade de assinatura.
  • 2018: Os principais desenvolvedores do Bitcoin propuseram a integração das assinaturas Schnorr na rede Bitcoin.
  • Novembro 14, 2021: A atualização Taproot integrou assinaturas Schnorr e introduziu MAST (Merkelized Abstract Syntax Trees), permitindo recursos semelhantes a contratos inteligentes e gerenciamento descentralizado de múltiplas assinaturas.
  • A solução Taproot Consensus da BEVM baseia-se nesses avanços, combinando assinaturas Schnorr e MAST para gerenciar endereços com múltiplas assinaturas e permitir cenários de negócios complexos em Bitcoin Layer2.

II. Visão geral da solução de consenso Taproot:

O artigo amarelo começa destacando a natureza completa não-Turing do Bitcoin e a funcionalidade limitada para contratos inteligentes. Ele defende o uso dos recursos existentes do Bitcoin para construir uma solução Layer2 descentralizada, em vez de modificar o Bitcoin Layer1.

O Taproot Consensus da BEVM combina a tecnologia Taproot do Bitcoin (assinaturas Schnorr e MAST), nós leves Bitcoin SPV e o mecanismo de consenso BFT PoS para criar uma rede Layer2 descentralizada e consistente.

III. Explicação detalhada da arquitetura de consenso Taproot

FMMKxcVPs

A arquitetura Taproot Consensus compreende três componentes principais: Schnorr+MAST, Bitcoin SPV e Aura+Grandpa.

· Schnorr+MAST: Usa essas tecnologias da atualização Taproot para obter gerenciamento descentralizado de múltiplas assinaturas Bitcoin impulsionado pelo código Bitcoin.

· Bitcoin SPV: Permite a sincronização e verificação de transações Bitcoin sem executar um nó completo.

· Aura + Vovô: Protocolos avançados de consenso PoS para tolerância a falhas bizantinas, garantindo alta consistência entre os nós da rede.

No sistema BEVM, cada validador possui uma chave privada BTC para assinaturas Schnorr. A chave pública agregada forma uma árvore MAST, permitindo transferências e inscrições BTC para o endereço de assinatura limite. Os validadores atuam como nós leves Bitcoin SPV, sincronizando o estado da rede BTC de forma segura e sem permissão. Aura+Grandpa garante a segurança e confiabilidade da rede Layer2, com ativos gerenciados pelo consenso BFT.

O princípio operacional do Taproot Consensus é: “No sistema BEVM, cada validador possui uma chave privada BTC para assinaturas Schnorr. A característica das assinaturas Schnorr permite uma agregação eficiente de assinaturas, aumentando assim a segurança e a eficiência do sistema. A chave pública agregada Pagg, gerada através do esquema de múltiplas assinaturas Musig2, forma um grande MAST (Merkle Abstract Syntax Tree). Após gerar o hash raiz da árvore MAST, os validadores realizam transferências e inscrições BTC no endereço de assinatura limite gerado pela árvore MAST, possibilitando o envio de dados da rede principal BTC para a rede BEVM. Cada validador também atua como um nó leve Bitcoin SPV (Simplified Payment Verification), permitindo-lhes sincronizar com segurança e sem permissão o estado da rede BTC.”

4. Outros detalhes técnicos no Livro Amarelo – Verdadeira Descentralização

O documento amarelo também detalha a implementação de assinaturas Schnorr, MAST, nós leves Bitcoin SPV e Aura+Grandpa, fornecendo um esboço técnico abrangente para aqueles interessados ​​em tecnologias Bitcoin. Explica a implementação do Musig2 e contrasta com outros projetos BTC Layer2 como o Mezo, que usa o protocolo tBTC. Ao contrário do tBTC, que depende de uma rede de nove signatários, o Taproot Consensus integra redes de múltiplas assinaturas com o consenso BFT PoS, alcançando uma verdadeira descentralização.

Além disso, o documento amarelo explica o processo de implementação do Musig2 e as diferenças entre outros projetos BTC Layer2 como Mezo e Taproot Consensus. A estrutura técnica subjacente do Mezo é baseada no protocolo tBTC, que usa assinaturas múltiplas Bitcoin para construir uma rede de assinatura de limite, oferecendo forte consistência em comparação com redes distribuídas tradicionais. No entanto, o tBTC ainda depende de uma rede de nove signatários, enquanto um sistema verdadeiramente descentralizado deve ser orientado por consenso, combinando redes de múltiplas assinaturas com mecanismos de consenso BFT PoS (Byzantine Fault Tolerance Proof of Stake). Esta é a diferença entre redes distribuídas e blockchains; as redes distribuídas enfatizam a distribuição, mas carecem do consenso bizantino de tolerância a falhas, enquanto as blockchains, embora também sejam redes distribuídas, são impulsionadas pelo consenso bizantino de tolerância a falhas, alcançando a verdadeira descentralização. A solução Taproot Consensus adota esse design mais avançado. Ao integrar assinaturas Schnorr, MAST, nós leves Bitcoin SPV e mecanismos de consenso tolerantes a falhas Aura e Grandpa Byzantine, ele constrói uma solução de escalabilidade Layer2 descentralizada altamente consistente e segura. Esta integração melhora a escalabilidade e usabilidade da rede Bitcoin e garante a segurança e consistência da rede BEVM.

Conclusão

O documento técnico amarelo da equipe BEVM descreve detalhadamente o Taproot Consensus, uma solução Bitcoin Layer2 construída inteiramente em tecnologias Bitcoin nativas. Respeita e inova na direção tecnológica original do Bitcoin, tornando-o uma verdadeira evolução da tecnologia nativa de escalabilidade do Bitcoin. À medida que o ecossistema Bitcoin evolui, soluções como o Taproot Consensus serão cruciais para o seu desenvolvimento, servindo como pilares importantes para soluções Bitcoin Layer2 verdadeiramente descentralizadas.

Sobre BEVM

BEVM é a primeira solução Bitcoin Layer 2 totalmente descentralizada e compatível com EVM. Ele permite que os DApps do ecossistema Ethereum operem em Bitcoin, usando BTC como gás. BEVM aprimora a utilidade do Bitcoin, fornecendo uma plataforma segura e escalável para aplicações descentralizadas. O sistema integra mecanismos avançados de consenso, interação entre cadeias e integridade robusta de dados para garantir uma experiência perfeita. A BEVM pretende inovar no ecossistema Bitcoin, oferecendo maior escalabilidade, segurança e compatibilidade com ferramentas e aplicativos populares da Ethereum.

Para mais informações, os usuários podem visitar Oficial do BEVm site ou siga BEVM em Twitter.

Contato

Tommie
BEVM
tommie@bevm.io

Visitado 82 vezes, 1 visita(s) hoje